We will not attend US conferences until our colleagues can.

O pensamento científico e a sua criação é a herança comum e partilhada da Humanidade
Abdus Salam, Prémio Nobel da Física, 1979

A Ciência é um esforço global, que cresce na abertura, na justiça e na colaboração. É sufocada e prejudicada por divisões e discriminação.

Os Estados Unidos da América beneficiaram grandemente de colaborações internacionais livres e abertas, e foram um dos seus maiores promotores. Muitos de nós trabalhamos com cientistas dos EUA e gozámos da hospitalidade das suas instituições ou beneficiámos das suas instalações e bolsas. Muitos de nós estudámos, ensinámos e trabalhámos nos EUA, e forjámos longas e fortes colaborações e amizades.

O governo dos EUA publicou agora um decreto que proíbe pessoas de sete países de entrar nos Estados Unidos, apenas devido à sua nacionalidade. Isto inclui pessoas com dupla nacionalidade. Mesmo que a maioria de nós não seja pessoalmente afectado, este decreto enfraquece a fundação do nosso trabalho, o sustento dos nossos colegas, e a nossa identidade como cientistas. Embora restrições prévias tenham já prejudicado a colaboração entre cientistas, este novo decreto eleva esta situação a um novo nível.

Por isso, em solidariedade com os nossos colegas, comprometemo-nos a não tomar parte em conferências científicas nos Estados Unidos até que todos possam participar nelas, independentemente da sua nacionalidade. Incitamos o Presidente dos Estados Unidos a revogar o decreto e remover esta barreira à ciência e à colaboração internacional.

Apoiamos as declarações contra o decreto anti-emigração proferidas por organizações como International Astronomical Union [União Internacional de Astrónomos] e por muitos dos nossos colegas Norte Americanos. Encorajamos também  outros a expressar o seu apoio. Como cientistas, recusamos ser divididos. É difícil para nós, em boa consciência, continuar a gozar de privilégios dos quais os nossos colegas, estudantes e professores são arbitrariamente excluídos.